Pular para o conteúdo principal

Como reaver valores em juízo através do Seguro Garantia


Sua empresa está atravessando processos trabalhistas? 

Então, você provavelmente sabe que, nesse tipo de processo, é preciso fazer um depósito recursal para levar o caso à segunda ou terceira instâncias. Esse depósito serve como garantia para a execução da sentença.

O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) deliberou e trouxe uma boa notícia. Agora, está permitida a troca do depósito recursal por um seguro garantia, e nenhum juiz pode recusar a solicitação da troca. Então, vamos entender como isso beneficia sua empresa e como você pode reaver o depósito recursal dos processos trabalhistas através do seguro garantia? 

Conheça os benefícios do seguro garantia

Existe um bom motivo para substituir o depósito recursal por um seguro garantia: a economia.

Quando você contrata um seguro garantia, vai pagar o prêmio da apólice, que corresponde apenas a uma fração do débito ou do valor discutido judicialmente. O valor que você desembolsa pode ser até 90% menos do que o montante de recursos que ficariam imobilizados no depósito recursal. 

Isso significa que, se você tinha feito um depósito recursal de R$10 mil, pode recuperar esse valor e substituir por um seguro garantia que vai custar, para sua empresa, apenas R$1 mil. Enquanto isso, os outros R$9 mil ficam disponíveis novamente para ser usados conforme as necessidades do negócio. 

Agora, imagine o quanto esses números representam, especialmente, se a sua empresa tem dois ou mais processos trabalhistas em andamento. 

Então, ao substituir o depósito recursal/judicial pelo seguro garantia, poderá levantar aquele montante imobilizado para usar da forma que mais beneficiar sua empresa. Nesse momento, por exemplo, com tantas atividades e setores do mercado paralisados, você pode fortalecer seu caixa para cumprir todas as obrigações no final do mês. Sem falar que também será, até mesmo, investir e aprimorar seu negócio, para permanecer sólido e passar tranquilo por esse período na atual conjuntura do país e, infelizmente, do mundo como um todo. 

Entenda a discussão

Com a decisão do CNJ, ficou muito mais fácil reaver o depósito recursal de processos trabalhistas, substituindo por uma apólice de seguro garantia. Antes do Conselho Nacional de Justiça se pronunciar, a questão era muito controversa. 

A Reforma Trabalhista (Lei 13.467 de 2017) já tinha previsto a possibilidade da troca, mas as decisões dos tribunais regionais e até do TST variavam muito. Algumas decisões diziam que a substituição era impossível; outras, que dependia do cumprimento de alguns requisitos; e outras, que ela devia ser liberada em qualquer caso. 

Toda essa divergência causava muita insegurança para as empresas, porque elas não tinham como saber se o Tribunal ia aceitar ou não o pedido de substituição do depósito recursal por seguro garantia. E, quando a ação caía em um Tribunal ou uma Turma que não aceitava o pedido, o jeito era ficar com o prejuízo dos recursos imobilizados até o fim do processo, o que, fatalmente, poderiam levar anos. 

No fundo, o motivo pelo qual alguns tribunais recusavam o pedido, mesmo havendo uma previsão legal expressa autorizando a troca, era preocupação com relação à eficácia do seguro garantia. Existia um receio de que, se a empresa perdesse o recurso, a apólice fosse rejeitada pela seguradora e a indenização (isto é, a garantia) nunca fosse realizada. 

É claro que, na prática, isso não acontece. Afinal, o seguro garantia é uma modalidade criada especialmente para atender situações especiais, como é o caso dos processos trabalhistas; e as seguradoras são fortemente reguladas por órgãos competentes, como a SUSEP, para assegurar que vão cumprir com os termos das apólices. 

Outro motivo pelo qual nem todos os tribunais permitiam a troca é que esse procedimento podia ser visto como uma forma de atrasar o andamento do processo. Isso era indesejado, porque conseguir uma prestação jurisdicional rápida – ou seja, conseguir uma resposta rápida da Justiça – é um direito de todas as partes envolvidas. 

Muito recentemente, o TST havia decidido resolver de vez a questão. Então, editou o Ato Conjunto 1/2019, em colaboração com o Conselho Superior da Justiça do Trabalho e a Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho. O posicionamento que eles decidiram defender, nesse documento, foi a proibição completa da substituição. Todavia, como apontado no inicialmente, o CNJ vedou tal proibição, permitindo então, em definitivo, a substituição de garantias já realizadas (dinheiro e penhora) por Seguro Garantia Judicial. 

Um fator que pode ter sido determinante foi que a crise causada pelo Coronavírus deixou bem claro que os pedidos para reaver valores em juízo não têm nada a ver com uma tentativa de adiar quaisquer pagamentos de débitos judiciais. Isso porque, reaver valores imobilizados judicialmente, no momento do atual cenário do país, pode ser crucial à saúde financeira das empresas – viabilizando, além de tudo, o adequado adimplemento dos débitos trabalhistas que porventura hajam. 

Descubra como reaver o depósito recursal de processos trabalhistas 

Agora que o CNJ venceu a barreira que ainda existia nos tribunais, e determinou que os pedidos de troca do depósito recursal por seguro garantia não podem ser recusados, ficou muito mais fácil reaver aqueles recursos da sua empresa que estão imobilizados. O que você precisa fazer é apresentar uma petição ao tribunal e contratar a apólice de seguro garantia compatível com o valor da causa. 

Quer mais uma boa notícia? Contratar o seguro é rápido e fácil. Você só precisa apresentar alguns dados para receber a cotação das apólices. Depois disso, sua única preocupação passa a ser com o pagamento do prêmio da apólice. 

Se a sua empresa está atravessando processos trabalhistas e tem valores em juízo para reaver, aproveite esse momento para substituir o depósito recursal pelo seguro garantia. Os valores que você vai recuperar podem trazer o fôlego necessário para as próximas semanas, ou até mesmo meses, até o começo da reabertura da economia. 

E mesmo depois desse período, essa possibilidade de troca continuará sendo valiosa para as empresas. Afinal, não importa se estamos no meio de uma pandemia ou não, ter recursos retirados do caixa e imobilizados nunca é bom para as finanças. 

Consulte a nossa equipe! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bradesco Saúde e Mediservice - Atendimento especial COVID-19

A clínica Novamed passou a ter horário ampliado para atender casos suspeitos da doença.
Com o avanço do novo Coronavírus (Covid-19) no Brasil, a Bradesco Saúde e a Mediservice criaram uma rede de apoio, por meio de sua rede de clínicas Meu Doutor Novamed, consultórios do programa Meu Doutor e clínicas referenciadas, disponibilizando aos seus beneficiários um atendimento exclusivo para casos suspeitos da doença.
Com isso, as clínicas Meu Doutor Novamed — que atendem a todos os planos da Bradesco Saúde e Mediservice — tiveram seu atendimento adaptado para esse período. As unidades Paulista (SP) e Botafogo (RJ) ampliaram o horário de funcionamento, das 7h às 19h, de domingo a domingo, sem a necessidade de agendamento prévio, aptos ao atendimento adulto e infantil. O objetivo é que o atendimento seja feito sem fila de espera e sem expor o paciente às aglomerações. O processo alcançará as demais, seja em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba ou Porto Alegre, caso seja necessário.
Todos os benef…

Você sabe se comunicar a bordo?

Separamos alguns dos principais termos utilizados no meio náutico, para facilitar a sua comunicação a bordo.

Medidas náuticasPé – Um pé mede 30,48 cm ou 12 polegadas (1 polegada = 2,54 cm)

Milha náutica – Equivale a 1,852 km.

Nó – Representa 1 milha náutica por hora ou 1,852 km/h.
Principais medidas da embarcaçãoBoca – Largura máxima do barco.

Calado – Distância vertical entre a linha d’água e o ponto mais baixo do casco, com a propulsão. Mas se o calado se referir somente ao casco, não inclui a propulsão.

Arqueação – Volume interno do barco.
As partes do barcoCasco – Corpo principal ( Vamos comparar aos carros e dizer que é a lataria o chassi)

Convés – É o plano horizontal principal, que fecha o casco de barcos com comprimento por volta de 12 m – barcos maiores podem ter mais de um convés.

Proa – A parte da frente de um barco.

Popa – A parte de trás de um barco.

Meia-nau – A parte mediana do barco.

Bombordo (BB) – Lado esquerdo, com a proa do barco à nossa frente e a popa atrás.

Boreste (BE) …