Pular para o conteúdo principal

Você sabe se comunicar a bordo?


Separamos alguns dos principais termos utilizados no meio náutico, para facilitar a sua comunicação a bordo.



Medidas náuticas

Pé – Um pé mede 30,48 cm ou 12 polegadas (1 polegada = 2,54 cm)

Milha náutica – Equivale a 1,852 km.

Nó – Representa 1 milha náutica por hora ou 1,852 km/h.

Principais medidas da embarcação

Boca – Largura máxima do barco.

Calado – Distância vertical entre a linha d’água e o ponto mais baixo do casco, com a propulsão. Mas se o calado se referir somente ao casco, não inclui a propulsão.

Arqueação – Volume interno do barco.

As partes do barco

Casco – Corpo principal ( Vamos comparar aos carros e dizer que é a lataria o chassi)

Convés – É o plano horizontal principal, que fecha o casco de barcos com comprimento por volta de 12 m – barcos maiores podem ter mais de um convés.

Proa – A parte da frente de um barco.

Popa – A parte de trás de um barco.

Meia-nau – A parte mediana do barco.

Bombordo (BB) – Lado esquerdo, com a proa do barco à nossa frente e a popa atrás.

Boreste (BE) ou Estibordo - Lado direito, com a proa à nossa frente e a popa atrás. .

Obras-mortas – A parte do casco acima da linha d’água.

Costado – A superfície das obras-mortas.

Posto de comando – Nas lanchas, a passagem lateral em volta da superestrutura faz parte do convés principal

Tijupá, flying bridge, flybridge, fly – Posto de comando acima do convés principal.

Casa das máquinas – É o compartimento dos motores, onde normalmente ficam também geradores e outros equipamentos.

Vigias – As janelas no costado e na superestrutura.

Escotilhas – Aberturas no convés que servem à passagem de tripulantes ou carga para o interior do barco

Guarda-mancebo – Estrutura de proteção formada por balaústres e cabos de aço fixada na borda.

Púlpito de proa, púlpito de popa – Os guarda-mancebos das extremidades do casco.

Lançador de âncora – Suporte ao qual se fixa a âncora.

Tipos de motores

De popa – É instalado na popa, fora do barco.

Centro-rabeta – O motor fica na popa, mas dentro do porão do barco, com a rabeta fixada no espelho de popa.

De centro – Vai dentro do barco, afastado da popa e ligado, no fundo do casco, ao eixo ao qual é preso o hélice, seguido pelo leme.

Hidrojato – O motor é acoplado a uma bomba que expele a água em alta velocidade, na popa (como nas motos aquáticas).

Centro-rabeta fixa (pod system) – composta por um motor colocado na popa ou afastado dela e por uma rabeta no fundo do casco.

Rabeta – Pequeno motor estacionário refrigerado a ar, montado em uma bandeja na popa do barco e acoplado a um eixo longo com um hélice traseiro, chamado de rabeta

A estrutura do barco

Quilha – Parte principal na estrutura, é como se fosse a espinha dorsal de uma embarcação.

Cavernas – As vigas que dão forma ao casco. São colocadas perpendicularmente à quilha, como costelas.

Longarinas – Vigas longitudinais, que seguem paralelas à quilha, cruzando as cavernas. Longarinas e cavernas são, geralmente, fixadas ao casco como um chassi.

Hastilhas – Chapas de reforço junto às cavernas, no fundo do casco.

Vaus – Ligam a parte superior das cavernas de bordo a bordo, para sustentar o convés.

Pés de carneiro – Colunas presentes em alguns barcos, para apoiar o convés junto com os vaus.

Roda de proa – Prolongamento da quilha na proa.

Talhamar – A superfície frontal da roda de proa.

Roda de popa – Continuação da quilha na popa.

Anteparas – O que, em uma casa, seriam as paredes. Costuma-se laminar as anteparas e o mobiliário junto à estrutura, para aumentar a resistência do casco.



Ferragens

Âncora – Peça de aço ou alumínio, composta de haste e uma ou mais “patas”, para “unhar” o fundo e segurar o barco no local.

Amarra – Cabo, corrente ou uma combinação de ambos, usada para ligar a âncora ao barco.

Hélice – É o responsável pela impulsão do barco. Pode ser de bronze, plástico, alumínio, aço inox ou de uma liga composta por uma mistura de níquel, bronze e alumínio (nibral).

Pé-de-galinha – Mancal por onde passa o eixo do hélice, fixado no fundo do casco.

Buzina – Peça oval ou em forma de U, que serve de guia e de proteção para os cabos na borda do barco.

Cabo – Nome para qualquer tipo de corda, exceto a do sino — se houver um a bordo.

Cunho – Amarrador em forma de bigorna fixado ao convés, para prender qualquer cabo.

Espia – Cabo que prender o barco ao cais ou píer.

Gato – Gancho cuja finalidade principal é ser preso a outra peça. Se tiver trava, é chamado de gato com barbela.

Gato de escape – Peça com pino, que permite soltura rápida. É chamado também de manilha de escape.

Manilha – Peça em forma de U ou de ferradura, para ligar dois componentes. Tem um pino rosqueável, chamado de cavirão.

Mosquetão – Composta por uma alça com um pino móvel, para engate e desengate rápido.

Lugares

Atracadouro - estrutura onde parar e amarrar uma embarcação

Pier - é uma passarela sobre a água, suportada por pilares ou estacas, para a atracação de embarcações.

Poita - corpo pesado utilizado para fundear, ou seja, para uma embarcação, como no meio de um rio por exemplo




Fontes 


















Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bradesco Saúde e Mediservice - Atendimento especial COVID-19

A clínica Novamed passou a ter horário ampliado para atender casos suspeitos da doença.
Com o avanço do novo Coronavírus (Covid-19) no Brasil, a Bradesco Saúde e a Mediservice criaram uma rede de apoio, por meio de sua rede de clínicas Meu Doutor Novamed, consultórios do programa Meu Doutor e clínicas referenciadas, disponibilizando aos seus beneficiários um atendimento exclusivo para casos suspeitos da doença.
Com isso, as clínicas Meu Doutor Novamed — que atendem a todos os planos da Bradesco Saúde e Mediservice — tiveram seu atendimento adaptado para esse período. As unidades Paulista (SP) e Botafogo (RJ) ampliaram o horário de funcionamento, das 7h às 19h, de domingo a domingo, sem a necessidade de agendamento prévio, aptos ao atendimento adulto e infantil. O objetivo é que o atendimento seja feito sem fila de espera e sem expor o paciente às aglomerações. O processo alcançará as demais, seja em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba ou Porto Alegre, caso seja necessário.
Todos os benef…

Como reaver valores em juízo através do Seguro Garantia

Sua empresa está atravessando processos trabalhistas? Então, você provavelmente sabe que, nesse tipo de processo, é preciso fazer um depósito recursal para levar o caso à segunda ou terceira instâncias. Esse depósito serve como garantia para a execução da sentença.
O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) deliberou e trouxe uma boa notícia. Agora, está permitida a troca do depósito recursal por um seguro garantia, e nenhum juiz pode recusar a solicitação da troca. Então, vamos entender como isso beneficia sua empresa e como você pode reaver o depósito recursal dos processos trabalhistas através do seguro garantia?  Conheça os benefícios do seguro garantia Existe um bom motivo para substituir o depósito recursal por um seguro garantia: a economia.
Quando você contrata um seguro garantia, vai pagar o prêmio da apólice, que corresponde apenas a uma fração do débito ou do valor discutido judicialmente. O valor que você desembolsa pode ser até 90% menos do que o montante de recursos que ficari…